.:: Mascaro Nascimento Advogados ::.
Notícias

Boletins

Boletins
Atuação
Boletins
Conteúdo Jurídico
Endereços
Junho/2014 - edição 180
Gestão de Pessoas

Treinamento de pessoas da organização

Débora Bobra Arakaki Masson

Toda e qualquer organização que pretenda atingir seus objetivos deve criar políticas que direcionem seu comportamento e ações futuras, de forma a operacionalizar a sua missão e evitar desvios na condução dos negócios.

Assim sendo, as políticas procuram expressar de forma clara e objetiva os princípio e finalidades formulados pela missão, que nada mais são do que as diretrizes definidas que empregam os propósitos empresariais e a realização de suas expectativas.

As politicas relacionadas à área de Recursos Humanos, hoje denominada Gestão de Pessoas, revelam os valores éticos de uma organização e a maneira pela qual esta pretende lidar com seus membros; já os programas de Recursos Humanos devem ser entendidos como facilitadores, permitindo que as empresas atinjam maior produtividade e qualidade, se tornando, portanto, mais competitivas.

Num mercado cada vez mais acirrado, as políticas/ações e programas da área de Gestão de Pessoas expressam, de maneira indubitável, uma vantagem competitiva para as organizações.

Um clima organizacional bem desenvolvido na maioria das vezes decorre de estilos de gestão, e com certeza é fruto de uma política sadia de gestão de pessoas, que procura, diariamente, garantir a satisfação e o crescimento dos colaboradores envolvidos. Por esta razão, cada vez mais, as empresas gastam com Treinamento.

Conforme consultor da área de Gestão de Pessoas: “É muito importante entendermos os objetivos intermediários da organização, verificando a existência de política de treinamento e investigando se existe planejamento com relação ao treinamento de colaboradores e posteriormente, identificando se existem instrumentos adequados para a realização e desenvolvimento dos membros da organização”.

Busca-se com o Treinamento, o desenvolvimento permanente da força de trabalho, trazendo a elevação contínua e graduação da capacitação dos empregados, permitindo em última análise, o desenvolvimento planejado por função - poupando gastos extras com admissão e demissão de colaboradores (turnover), sem contar que se mantêm empregados já imersos na missão na empresa, acostumados com os valores organizacionais estabelecidos.

O plano de desenvolvimento de profissionais deve ser conduzido por profissionais capacitados e o trabalho deverá ser realizado em etapas: diagnóstico e programa de preparação e reciclagem; criação de critérios de desenvolvimento de recursos humanos a médio e longo prazo; criação e desenvolvimento de critérios capazes de garantir a saúde organizacional, através de mudança de comportamento dos participantes, etc.

Finalmente, para que um plano de desenvolvimento de profissional cumpra seus objetivos é necessário que haja objetivos empresariais e planejamento estratégicos bem definidos; que haja conscientização de gerentes, líderes e demais colaboradores da empresa e crescente interação/confiança de todos e que exista um esforço contínuo para atender as necessidades do cliente, as mudanças tecnológicas e as novas demandas vindouras.

O Treinamento e desenvolvimento de qualquer organização devem ser vistos como fatores estratégicos para o crescimento e melhoria da qualidade e entrega dos serviços.

São Paulo: Tel: +55 11 2175-9000 - Fax: +55 11 3256-7401
© Mascaro Nascimento Advogados 2010 Todos os direitos reservados
Twitter Facebook LikedIn
Desenvolvido por: Original Design